Editorial do Presidente

Rio de Janeiro, 28 de abril de 2022

Prezados (as) Companheiros (as)                                             .

Neste 1º de maio, data comemorativa, dia do trabalhador, onde o mundo inteiro (capitalistas e comunistas) comemora e parabeniza aqueles que são a mola propulsora das nações, o SR. GERADOR DE RIQUEZAS, O TRABALHADOR.

 

Aqui no Brasil não temos muito o que comemorar, particularmente nós marítimos depois do veto do governo no inciso II do artigo 9º do projeto de lei 4199/2020 (BR DO MAR). Mesmo os pouquíssimos marítimos brasileiros estando inseridos no projeto de lei, não atende aos interesses da classe marítima brasileira a bordo dos navios afretados, afinal, eles não vão mais construir navios no BRASIL, poderão afretar. Ganharam isenção de impostos e não terão despesas com brasileiros a bordo, como recolhimento de impostos ao erário público, fizeram “BARBA, CABELO E BIGODE”. 

 

Nos causa imensa frustração saber que o atual governo ao invés de gerar e garantir empregos para brasileiros se esforçou em apresentar um projeto de lei que gera empregos para os estrangeiros. E ainda vetou a proposta de ampliar o número de marítimos brasileiros a bordo, mesmo com esses navios trafegando em águas brasileiras!

 

Lembro-me que nos anos 70 (setenta) até os anos 80 (oitenta) o BRASIL foi o 2º maior construtor naval do mundo, perdendo apenas para o Japão. Nossos poços de petróleo estão sendo leiloados, nossas refinarias sendo vendidas, o refino que fazíamos aqui gerando empregos e tecnologia, agora gastamos dinheiro importando, as plataformas estão cheias de estrangeiros, os estaleiros fechados gerando desemprego a milhares de trabalhadores. Essa é a nossa realidade nos dias de hoje. Já diziam os poetas, “recordar é viver”. Recordamos então que no último dia 25/04/2020, comemoramos os 72 anos da criação da FRONAPE (Frota Nacional de Petroleiros), maior frota do hemisfério sul, criada em 1950, antes mesmo da Petrobras. A FRONAPE chegou a ter mais de 70 navios, operando na cabotagem e longo curso com navios petroleiros, gaseiros e químicos. Tivemos na época, navios construídos no Japão como os VLCC’s (Very Large Crude Carrier) superiores a 250 mil toneladas de porte bruto (TPB). Uma história de sucesso que não pode ser esquecida. Os estaleiros trabalhavam 24 horas, as encomendas não paravam. Os estaleiros Ishikawajima, Caneco, estaleiro Mauá, Renave e outros trabalhando “a todo vapor”, quando não havia construção havia reparo, chegávamos ao ponto de fazermos reparos no exterior em face dos estaleiros nacionais estarem abarrotados de contratos. Os embarques eram uma constante, praticamente não havia desemprego na área marítima.

 

No bairro do Caju, onde se concentravam 2 (dois) grandes estaleiros, às 6:00 horas da manhã fervia de trabalhadores no ponto de ônibus. Misturavam-se marítimos, pessoal da produção dos estaleiros, do serviço burocrático da FRONAPE e dos demais segmentos. Época de ouro onde o gestor da coisa pública agia com zelo e patriotismo, sabendo que acima de tudo a empresa tinha e tem uma função social.

 

Infelizmente, não vemos mais isso nos dias de hoje. Espoliaram, venderam, acabaram com o sonho de uma geração que ajudou a construir o BRASIL independente e soberano, pois acima dos interesses pessoais está a nossa soberania, está o BRASIL. É de nossa natureza esperar por dias melhores e não perder a fé em DEUS e no nosso amado BRASIL!

 

FELIZ 1º DE MAIO. PARABÉNS CLASSE TRABALHADORA, EM ESPECIAL AOS CONDUTORES DE MÁQUINAS, VIGA MESTRA E ELO DE UMA CORRENTE QUE FAZ TODA A DIFERENÇA A BORDO DAS EMBARCAÇÕES!

 

O mal vai passar, mas como se diz no jargão da psicologia: “O QUE NÃO SE RESOLVE SE REPETE”, portanto, resolveremos em outubro escolhendo quem realmente nos representa.

 

Que o SENHOR DEUS, rico em amor, compaixão e misericórdia, abençoe os nossos representados, familiares e o nosso amado BRASIL!

 

                                                       

Fraternalmente

Alcir da Costa Albernoz

Diretor Presidente

loading

Login

Perdeu sua senha?