Indústria marítima global publica novo guia para proteger marítimos e armadores da pandemia

Indústria marítima global publica novo guia para proteger marítimos e armadores da pandemia

No primeiro dia da London International Shipping Week, a International Chamber of Shipping (ICS) divulgou orientações novas e atualizadas para proteger os marítimos e armadores dos desafios da pandemia do coronavírus. Os recursos gratuitos incluem orientação sobre vacinações, agentes de tripulação, questões de saúde mental e permissão de terras.

Apesar das melhorias observadas nas taxas de vacinação para marítimos, apenas 25% estão totalmente vacinados, e a maioria não está em posição de receber uma vacina por meio de seus programas nacionais até pelo menos 2022. Enquanto isso, severas restrições de viagens ao redor do mundo deixaram os marítimos presos a bordo, alguns por mais de 18 meses. Esse impedimento para os trabalhadores existentes e novos recrutas em potencial colocou as cadeias de suprimentos globais à prova, com a escassez dos principais produtos e os custos de transporte se aproximando dos máximos de todos os tempos.

Agora, o ICS trabalhou com uma coalizão de parceiros da indústria para produzir um guia novo e atualizado, que visa equipar marítimos e armadores com o conhecimento para se proteger e se sustentar na próxima fase da pandemia.

Os guias foram desenvolvidos em associação com a International Maritime Health Association (Intertanko), a International Transport Workers Federation (ITF), as Associações de Armadores da Comunidade Europeia (ESCA), Intercargo, InterManager, a Associação Internacional de Portos, a Christian Maritime Association, a Associação Internacional de Empreiteiros Marítimos, o Conselho Internacional de Empregadores Marítimos Ltd., a Associação de Armadores Asiáticos (ASA) e o Conselho Internacional de Empregadores Marítimos (IMEC).

Guy Platten, secretário-geral da Câmara Internacional de Navegação, comentou: “Durante a pandemia, a indústria naval se uniu repetidamente para apoiar a sua própria. Mas devemos garantir que manteremos esse espírito de colaboração e que todos nos unamos para antecipar e atender às necessidades dos principais trabalhadores ocultos do mundo – os marítimos. Como o Delta Bypass ameaça cada vez mais a parte sul do mundo, uma área que abastece quase metade da força de trabalho dos marítimos, é fundamental que os marítimos e armadores tenham os recursos para navegar na próxima fase da pandemia”, disse Platten.

Uma realidade da pandemia é que as licenças de terra foram severamente afetadas e as tripulações foram forçadas a permanecer a bordo de seus navios por longos períodos sem poder descansar.  Além disso, o recrutamento para empregos inexistentes no mar está aumentando à medida que agentes de tripulação duvidosos tiram proveito do ambiente atual. Portanto, é necessário acabar com a perda de marítimos devido a más experiências de tripulação. As Diretrizes para Agências de Tripulação foram desenvolvidas para auxiliar as empresas de navegação na escolha de agências de tripulação credenciadas e para garantir que o recrutamento de marítimos seja realizado de acordo com os requisitos da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Tragicamente, os marítimos sofreram mais problemas de saúde mental durante a crise da mudança de tripulação. A pandemia também aumentou o estresse no trabalho, que pode afetar a saúde mental dos marítimos, incluindo pressões familiares e licenças limitadas em terra. O guia “Gerenciando uma crise ou emergência de saúde mental e detectando comportamento suicida em marítimos” estabelece ferramentas para que as empresas criem uma cultura de cuidado a bordo para tratar de questões de saúde mental.

Platten concluiu: “Os marítimos fizeram um enorme sacrifício pessoal nos últimos 18 meses. Embora seja admirável, colocou uma enorme pressão sobre eles como indivíduos e na cadeia de abastecimento global. A ICS e nossos parceiros esperam que nossa nova orientação forneça segurança e segurança para marítimos em todo o mundo, e ajudar a aprimorar sua experiência a bordo e em terra.”

Fonte: Mundo Marítimo